Vivemos numa época onde o tempo passa de modo acelerado. Tão logo surge um avanço tecnológico nos blogs, no email marketing, no celular e em questão de minutos, você já está ultrapassado. No caso dos funis de marketing digital, você vai encontrar inúmeros artigos dizendo que eles pertencem ao ferro velho da história, junto com telefones de discar, orelhões de ficha e a modéstia da Miley Cirus. No entando, o funil está longe disso. Na verdade, ele evoluiu da mesma maneira que a Hannah Montana evoluiu para… bem… para o que quer que aquela criatura semi-nua lambedora de martelos seja…
Engajamento para a Vida é uma evolução, não um paradigma

O funil tradicional de marketing digital é algo bem simples, quase tão simples quanto o e-mail marketing. No topo do funil você chama a atenção, no meio desperta o interesse e no fundo atiça o desejo e a coisa toda é concebida para levar o consumidor à uma ação, que quase sempre é a finalização da compra pelo cliente. Existe aquela turma que acha que esse processo é da era das pedras e não veem que a “substituição’, o engajamento para a vida não é um novo paradigma, mas uma evolução.
Dois personagens feitos pela mesma pessoa.

O engajamento para a vida oferece ao cliente algo mais orgânico que o antigo modelo de funil. Da mesma forma que você não pense na Miley como Hannah, eles eram dois personagens feitos pela mesma pessoa. Os aspectos do engajamento para a vida são:

  • Descoberta. É aqui onde seus clientes descobrem a sua marca, seja por ações ou reações aos seus esforços de marketing. De acordo com a Pesquisa Forrester, 68% dos adultos Americanos que usam a internet descobriram uma marca no Facebook por puro acidente, enquanto 81% deles fizeram a descoberta de propósito.
  • Exploração. Uma vez que a marca é descoberta, esses clientes irão pesquisar em diversos canais para ganhar perspectiva sobre a marca e seus concorrentes.. O estudo Forrester diz que 11% dos Americanos adultos procuram informações nos seus smartphones enquanto estão em uma loja física, o que mostra a necessidade da sua marca em prover a informação de forma correta, persuasiva e crítica.
  • Compra. A chave para assegurar níveis altos de Checkout é fazer com que o processo seja fácil e prazeroso para o cliente. Esses fatores estendidos da navegação pelo site ao carrinho de compras facilitam a compra do que está no seu site. O relatório Forrester revela que 62% de todos os clientes irão evitar um site onde eles tiveram uma experiência de navegação inaceitável e 52% vai preferir ir na loja física, então você não pode descansar em nenhum desses canais, tanto o online quanto o offline.
  • Engajamento. Em um contexto de pós venda, o engajamento é um processo de estender aquele sentimento feliz que seu cliente tem quando faz a compra, ao ponto em que eles mal podem esperar para comprar de novo com você. Esse processo é baseado não apenas na qualidade do item, mas nas interações do serviço de atendimento ao cliente em responder a toda e qualquer pergunta sobre a compra feita.

Este modelo só adiciona ao Engajamento Pós-Venda.

Ainda que o engajamento para a vida seja mostrado como um círculo, em vez de um funil unilateral, esse é realmente o caso se a peruca loira da Hannah está no lugar ou não. Aquela criação bobinha da Disney pode ter se tornado numa insana exibicionista, mas na essência, ainda é a mesma pessoa. Na essência: A Descoberta é o topo do funil, Exploração é o meio do funil e a Compra é o fundo do funil. O único aspecto novo foi adicionado no fundo do funil, para ter a experiência para a vida toda, que é o Engajamento.

Miley foi de ganhar meros 15 mil dólares por episódio de Hannah Montada para acumular mais de 120 milhões. Copiar o processo evolucionário dela nas suas vendas pode ter os mesmo efeitos! Siga as dicas da Benchmark Email, que prometemos melhoria!